quinta-feira, 30 de abril de 2009

Ensaio sobre a servidão

Com pai e mãe advogados, bastava eu ter feito Direito para levar uma vida dita como "a alta sociedade". Fugi disso, sem nenhum propósito maior, simplesmente por gostar de outro ramo, a física, o que não levei muito adiante, apesar de já estar formado nisso. Tendo descoberto a fotografia e sem ter parentes no ramo, comecei do zero, servindo e tendo contato com as pessoas que servem, o que está sendo muito mais interessante do que eu poderia imaginar.

O mais legal de estar no bastidores é poder observar as pessoas que trabalham nele e refletir sobre a sociedade como um todo. Estou falando dos motoristas, seguranças, eletricistas, encanadores, cozinheiros, garçons, decoradores, entregadores de enfeites e todas as outras pessoas que cuidam e limpam os bastidores do teatro na vida dos que as pagam para isso.

Sempre pensei que, se me colocasse nessa posição, fosse ter um sentimento de inferioridade sobre as outras pessoas, mas o engraçado é que aconteceu justamente o contrário. Sinto como se tivesse o poder de, a qualquer momento, acabar com tudo e fazer o cenário cair sobre os atores.

Foi só uma constatação boba que me deixou intrigado, por enquanto sem nenhuma conclusão filosófica ou de qualquer tipo a respeito. (e também eu estava precisando atualizar essa coisa aqui)

-

"We do your laundry, cook your food and serve you dinner. We guard you while you sleep. We drive your ambulances. Do not fuck with us."
- Tyler Durden

Foto à esquerda: Peter Marlow (Magnum Photos)
Foto à direita: Wayne Miller (Magnum Photos)

5 comentários:

putz grila disse...

Nunca estive onde você esteve.
Mas acredito que seja um mundo diferente, com regras próprias. Que no final das contas acaba não sendo tão diferente assim.
Nice!
Ótima constatação.

hermilla disse...

esse é meu garoto!

gostei do que vc escreveu. até que vc não é tão retardado o quanto eu imaginava. e nem tão raso quanto uma piscininha de mil litros.

rá.

(insira aqui meu emoticon divertido)

hermilla disse...

tá.
é brincadeira, nunca te achei retardado.
talvez uma vez ou outra, quando discutimos algum assunto polêmico.
que bom que vc não escreveu nada sobre luta de classes nesse post. ia ficar brega.

disse...

SENTIMENTO de inferioridade????

O fotógrafo é o único na festa, evento,formatura,casamento, guerra,terremoto... que pode perpetuar aquele momento.
E perpetuar é eternizar, para todo o sempre...
Quantas fotografias são encontradas,com anos de revelação, e muitas vezes vem esclarecer algo,que ao serem feitas, o profissional nunca imaginara a importância daquele seu ato.
O FOTÓGRAFO precisa acordar e conscientizar-se que seu valor é muito grande, elevado, não importa se capta uma guerra, aíiii Sebastião Salgado,ou uma novela, (né,Renato Miranda??), um casamento, que no dias de hoje,talvez seja a única lembrança agrádavel que a noiva terá daquele momento.
VCS deveriam fazer um movimento de Fotógrafos de Forum ou Cartórios de Notas, clicando Separações Judiciais e Divórcios, seria um evento e tanto, muitos estarão mais felizes do que no dia do casamento que vc fotografou!!
Pense nisso com seus colegas.

Fatima Segalla Coutinho
http://eporqueno.blog.com
fasegallacoutinho@gmail.com

disse...
Este comentário foi removido pelo autor.